O recrutamento com IA é (anti)ético? Uma perspectiva de direitos humanos sobre o uso de IA para contratação

Na LeWarPro, nosso compromisso é colocar as pessoas no centro de nossos processos de recrutamento e seleção, utilizando a inteligência artificial (IA). Recentemente, temos debatido internamente sobre os direitos humanos relacionados ao uso dessa tecnologia.

 

Para fundamentar nossas discussões, buscamos estudos científicos sobre o tema. Encontramos um estudo crucial que nos guiará: o trabalho de Anna Lena Hunkenschroer e Alexander Kriebitz, que analisa a crescente utilização de tecnologias de IA soba perspectiva dos direitos humanos.

 

Introdução à IA no Recrutamento:

A IA é utilizada para aumentar a velocidade e a eficiência dos processos de recrutamento, especialmente em grandes empresas como Vodafone, KPMG, BASF e Unilever. O uso da IA em recrutamento é controverso, com críticas focadas em decisões potencialmente injustas e vieses algorítmicos. Um exemplo notável é o caso da Amazon em 2018, onde a IA discriminou sistematicamente mulheres no processo de contratação.

 

Fundamentação Normativa:

Os direitos humanos são utilizados como base normativa para avaliar a ética no uso da IA em recrutamento. A análise considera se a prática de recrutamento com IA conflita com princípios como validade, autonomia, não discriminação, privacidade e transparência, que são fundamentais no contexto dos direitos humanos.

 

Validade:

A validade da IA no recrutamento depende de sua capacidade de fornecer avaliações precisas e justas dos candidatos. Embora a IA possa melhorar a eficiência e a precisão das previsões baseadas em dados, há preocupações sobre a falta de empatia e a incapacidade de captar complexidades emocionais que são essenciais em um processo de seleção justo.

 

Autonomia:

A IA pode reduzir a autonomia dos candidatos ao delegar decisões importantes para máquinas, potencialmente desumanizando o processo de recrutamento. É essencial que as ferramentas de IA sejam usadas como suporte aos recrutadores humanos, mantendo a supervisão humana nas decisões finais para garantir que os candidatos ainda tenham a oportunidade de interagir com futuros colegas e avaliar a cultura da empresa.

 

Não Discriminação:

A IA pode introduzir vieses algorítmicos se for treinada com dados históricos tendenciosos, levando à discriminação contra certos grupos de candidatos. É crucial auditar e validaras ferramentas de IA para garantir que não perpetuem discriminações e que promovam a inclusão. A implementação de equipes diversas de cientistas de dados pode ajudar a evitar a criação de códigos discriminatórios.

 

Privacidade:

A IA coleta e utiliza grandes volumes de dados, incluindo informações sensíveis, o que pode violar o direito à privacidade dos candidatos. As empresas devem obter consentimento explícito dos candidatos e limitar a coleta de dados ao mínimo necessário para a avaliação da aptidão para o cargo, seguindo o princípio de minimização dedados.

 

Transparência:

A IA apresenta desafios de transparência devido à sua natureza de "caixa preta", dificultando a compreensão de como as decisões são tomadas. As empresas devem garantir um nível adequado de transparência, explicando os critérios de seleção e os dados utilizados pela IA. Relatórios de transparência e explicabilidade podem ajudara mitigar os sentimentos de frustração e percepções de injustiça por parte dos candidatos.

 

O recrutamento com IA não é inerentemente antiético, mas depende das condições sob as quais as ferramentas de IA são usadas. As empresas têm a responsabilidade de implementar práticas que garantam a validade, autonomia, não discriminação, privacidade e transparência, contribuindo para processos de recrutamento mais éticos e justos. A análise propõe que a abordagem ética deve ser prática e adaptável, permitindo espaço para o desenvolvimento tecnológico e ajustando processos e responsabilidades dos recrutadores.

 

É para resolver estas questões que a LeWarPro foca nas pessoas e na nossa IA para identificar emoções. Nossa IA visa uma análise mais refinada dos candidatos, sem eliminar potenciais talentos desde o início. Assim, a IA da LeWarPro contribui para a implementação de políticas de diversidade eficazes e para a promoção da igualdade de oportunidades, respeitando as diferentes identidades sociais e contextos culturais.

 

A LeWarPro visa preencher a lacuna entre a ética empresarial e as aplicações práticas de IA no recrutamento, oferecendo orientações para organizações sobre como utilizar a IA de maneira ética em seus processos de seleção, promovendo um equilíbrio entre inovação tecnológica e o respeito aos direitos humanos.

Referência: https://doi.org/10.1007/s43681-022-00166-4

Texto desenvolvido por Fabio Guerra, Diretor Executivo (Founder and CTO).

Recrutamento Ético
IA e Direitos Humanos
Diversidade no Trabalho
Transparência no RH