O que realmente significa diversidade e como isso molda as políticas e ações corporativas?

A gestão da diversidade nas organizações envolve diferentes contextos nacionais e sociais. A diversidade no local de trabalho não se refere apenas às diferenças individuais, mas àquelas que podem beneficiar ou prejudicar certos grupos. Existem seis principais marcadores de diversidade: gênero, etnia (ou raça), idade, habilidade, religião (ou visão de mundo) e orientação sexual.

 

Para esse significado a LeWarPro apresenta o estudo das pesquisadoras Jasmin Mahadevan e Iuliana Ancuţa Ilie comouma introdução e uma série de questionamentos futuro ao tema.

 

O estudo discute duas perspectivas sobre a diversidade: o caso de negócios (que vê a diversidade como um meio para aumentar o lucro organizacional) e o caso humano (que defende a igualdade de oportunidades). Também explora a ligação entre diversidade e identidade social, destacando como as percepções dos outros influenciam a autoidentificação e a sensação de pertencimento de um indivíduo.

 

As hierarquias são frequentemente associadas aos marcadores de diversidade e identidades sociais, o que pode ter implicações críticas. Na gestão internacional, o "homem branco, heterossexual, ocidental, de classe média/alta e capaz" é frequentemente o ponto de referência implícito, o que torna outras identidades sociais "minoritárias". Isso é problemático, pois impede que os locais de trabalho sejam baseados no mérito e proporcionem igualdade de oportunidades.

 

O conceito de recontextualizaçãoé fundamental para compreender como os significados da diversidade variam em diferentes contextos, pois ele permite adaptar as abordagens de diversidade às realidades culturais e sociais específicas de cada local. Essa adaptação garante que as iniciativas de diversidade sejam eficazes e relevantes, considerando as nuances e particularidades de cada ambiente. Além disso, arecontextualização ajuda a evitar a imposição de um modelo único de diversidade, promovendo uma abordagem mais inclusiva e sensível às necessidades e expectativas de diferentes grupos e sociedades.

Um exemplo prático é a dificuldade enfrentada pela BMW em transferir suas iniciativas de diversidade focadas em igualdade de gênero da Alemanha para o Reino Unido, onde a diversidade é mais comumente entendida em termos de etnia.

 

Para os gestores de RH de empresas multinacionais, é vital estar ciente de como a diversidade é compreendida em diferentes contextos nacionais, sociais e organizacionais. Além disso, os gestores de RH devem refletir sobre suas próprias percepções e entender os significados contextuais da diversidade para implementar políticas de gestão de diversidade eficazes.

 

Questões que ficam na mente:

1. Por que e como o RH corporativo nunca pode ser "isento de contexto"?

2. Como as leis nacionais e os sentimentos sociais podem influenciar a gestão da diversidade corporativa para melhor ou pior?

3. O que é recontextualização e quais são os desafios de RH associados a ela?

4. Os gerentes de RH também precisam "recontextualizar" a si mesmos em seu papel como gerentes de RH? Se sim, como eles devem alcançar a adequação semântica com múltiplos contextos em uma empresa multinacional ou em um ambiente de RH internacional?

 

Desde 2019, a LeWarPro tem desenvolvido sua Inteligência Artificial para promover um ambiente de trabalho mais justo e inclusivo. Inicialmente projetada para identificar emoções, a IA da LeWarPro evoluiu para incluir essa análise nos processos de recrutamento e seleção. Nossa IA visa uma análise mais refinada dos candidatos, sem eliminar potenciais talentos desde o início. Assim, a IA da LeWarPro contribui para a implementação de políticas de diversidade eficazes e para a promoção da igualdade de oportunidades, respeitando as diferentes identidades sociais e contextos culturais.

Referência: https://doi.org/10.1007/978-3-030-90955-0_24

Texto desenvolvido por Fabio Guerra, Diretor Executivo (Founder and CTO).

Diversidade Corporativa
Políticas Inclusivas
Adaptação Cultural
Recontextualização